Idealizador do desfile de bonecos afirma retrocesso no Carnaval 2010

Blog Single
Personagens gigantes da cultura em geral deixam de ser o principal destaque após onze anos

O PautaSJP.com publicou com exclusividade no início da semana, que os bonecos deixam de ser o principal produto cultural no desfile do Carnaval 2010 de São José dos Pinhais. Após onze anos, haverá um evento, considerado pela Secretaria Municipal de Cultura, como multi cultural. Um dos idealizadores das 10 edições do Carnaval de Bonecos, Joelson Cruz, considera a mudança um retrocesso.

“Foram onze anos de produção de bonecos, como parte de um grande projeto, denominado o Boneco e a Sociedade. As oficinas e apresentações artísticas, com a participação dos alunos da Escola Livre de Teatro, tinham como ponto alto o carnaval. O que gerou um grande legado, de divulgação de São José dos Pinhais não só entre os artistas e públicos em geral do Paraná, mas entre diversas cidades do Brasil. Até mesmo em Olinda, cidade famosa pela valorização dos bonecos, tivemos grandes elogios nestes vários anos de trabalho. Portanto, a palavra que vem à minha cabeça é um grande retrocesso”, diz Joelson Cruz.

O idealizador do programa anuncia que o talento da cidade para os bonecos continua. “Em 2010 continuaremos a estruturar a nova sede de produção dos programas culturais, onde acontecerão muitos projetos. Recentemente fomos contemplados com recursos na ordem de R$ 570 mil, por meio do programa federal Pontão da Cultura, para a produção nos próximos três anos de muitas iniciativas com destaque para os bonecos”, fala o produtor cultural.

Um dos nomes locais que acompanha diariamente a produção cultural são-joseense, é a artista plástica Katia Velo. Segundo ela, a ideia de renovação é sempre importante, mas pode gerar uma diminuição da propagação cultural. “Acredito que as intenções sejam as melhores possíveis. No entanto,  as políticas públicas infelizmente não primam pela continuidade de bons resultados em gestões anteriores. Os novos responsáveis pelo Executivo, buscam imprimir uma nova identidade, uma marca, ou seja, algo que deixe registrada a sua passagem naquela gestão. Isto ocorre em todas as estâncias, sendo municipal, estadual e federal, o que ocasiona, no mínimo, morosidade e gastos”, comenta Katia Velo

Na última terça-feira (11), o PautaSJP.com procurou a secretária municipal de Cultura, Elisete Farias, para uma entrevista sobre a novidade, mas não houve retorno.

[PautaSJP.com]

Mais imgens desta notícia

Compartilhe esta notícia no Facebook: