Maioria dos vereadores de SJP desconhece lei de preservação de patrimônio 18-May-11

Classe cultural se manifesta no Legislativo contra derrubada de prédio de 120 anos, que era sede da Prefeitura desde a década de 80

O jornalista e membro do Compac, Antonio Bobrowec, diz que o prefeito Ivan Rodrigues agiu ilegalmente na derrubada do prédio histórico

O PautaSJP.com fez uma enquete com os vereadores de São José dos Pinhais a respeito da lei de preservação do patrimônio histórico e cultural da cidade. A legislação que trata especificamente do assunto foi aprovada na Câmara Municipal em 1996, via o Conselho do Patrimônio Cultural de São José dos Pinhais (Compac). A grande maioria dos vereadores desconhece a lei 0496/20/03/1996 do Compac. Ontem (17), durante sessão na Câmara Municipal, membros do Compac, jornalistas, profissionais da área de engenharia e arquitetura protestaram contra a demolição do prédio de 120 anos, que ocorreu no último sábado (14).

O presidente da Casa, o vereador Assis Pereira (PSDB), lembrou de outras leis referentes à preservação de patrimônio histórico. “Reconheço que temos a nossa parte neste caso, pois em uma gestão anterior na Prefeitura, nós vereadores aprovamos lei de tombamento do Centro Cultural João Senegaglia, que fica na Rua XV de Novembro. Na época, deveríamos ter ampliado o tombamento para outras propriedades importantes da cidade, como o prédio sede da Prefeitura”, lamenta Assis, que encaminhou, em nome dos vereadores, um pedido de explicações para a Prefeitura.

Enquete
Além de perguntar sobre a legislação vigente, o PautaSJP.com perguntou a 12, dos 14 vereadores, se eles são a favor ou contra a demolição da antiga casa e sede da Prefeitura. Alguns vereadores querem esperar a justificativa da Prefeitura para se manifestar.

A enquete apurou que entre os vereadores um é a favor e sete são contra. Em três casos os vereadores querem a resposta do Executivo para se pronunciar.

Vereadores da base aliada, que são contra, destacaram que a posição contrária se deve principalmente ao fato de não terem tido conhecimento de que haveria a demolição, e também o fato das discussão de derrubada não ter passado pelo Legislativo.

O vereador Carlos de Castro (DEM) devido a questões familiares não compareceu na sessão e está afastado dos trabalhos. A reportagem não conseguiu apurar a opinião do vereador Ailton Fenemê (PSDB). O vereador Sylvio Monteiro (DEM) se recusou a responder.

José Vieira (PTB) é a favor.
Imar Augusto (PSB) é contra.
Toninho da Farmácia Anderson (PP) é contra.
Bira do Banco (PT) é contra.
Mari Temperasso (PSDB) é contra.
Lucia Stoco (DEM) é contra.
Joel Almeida (PSDB) é contra.
Carlos Machado (PSDB) é contra.
Professor Walber (DEM) quer a resposta da Prefeitura para se manifestar.
Assis Pereira (PSDB) quer a resposta da Prefeitura para se manifestar.
Onildo do PT (PT) quer a resposta da Prefeitura para se manifestar.

[PautaSJP.com]