Com quase 60% a mais de candidatos a vereador em SJP, eleitos diminuíram votos

Blog Single
Com os últimos processos indeferidos de candidatos a vereador em São José dos Pinhais na semana passada, pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE), na eleição de domingo (07) a lista final dos concorrentes à Câmara em 2012 fechou em 347 candidatos, sendo 58% a mais do que há quatro anos. O número excessivo de candidaturas, puxadas pelo aumento de 14 para 21 cadeiras no Legislativo, cresceu a participação e diminuiu os votos de quem foi reeleito. Segundo cientista político da PUC-PR, a busca por uma oportunidade nas eleições contrasta com a atitude dos oportunistas que sabem que não serão eleitos.

Nenhum candidato, seja da situação ou oposição, fez mais de 3 mil votos. O vereador José Vieira em 2008, pelo PTB, foi o líder de votos com 3.419 (2,81%). No domingo, foi reeleito via o PSD em sexto lugar com 2.384 votos (1,73%). Lúcia Stoco teve há quatro anos, pelo DEM, 3.331 votos (2,74%), segundo lugar e, desta vez, reeleita no PSD com 2.306 votos (1,67%), em nono lugar. Sempre um dos campeões de votação, o presidente da Câmara de SJP, Assis Pereira (PSDB), o professor Assis, em 2008 foi o terceiro com 3.290 (2,70%) e nesta votação reeleito com 2,584 votos (1,87%), e na segunda colocação. A campeã de votos em 2012 foi a estreante Nina Singer (DEM) 2.693 votos (1,95%).


Ser candidato é legítimo
Em entrevista exclusiva ao PautaSJP.com em nome do Jornal Tribuna Metropolitana, Másimo Justina, professor da disciplina de Ciência Política da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR), apontava antes da eleição que fazem parte dos candidatos a vereador de todas as cidades as pessoas que buscam uma oportunidade política, de contribuição com a sociedade, e quem se mostra como oportunista político.

“Parto do princípio que a Política é algo nobre e que os escolhidos nas urnas sejam as pessoas mais qualificadas e com interesse na melhoria das comunidades. São José dos Pinhais, como outros municípios em crescimento no País, gera lideranças de igrejas, de sindicatos, do empresariado, de associações e líderes de bairros que buscam a candidatura. O interesse em uma oportunidade política como vereador é legítimo e também é incentivado pela questão financeira, pois, como carreira, haverá uma qualidade de vida boa”, opina o professor.

A divergência de uma parte dos candidatos é o oportunismo. “Quanto a sair como candidato para gerar votos, mesmo que poucos votos, com o objetivo de somente apoiar um candidato a prefeito, isto se baseia geralmente na troca de algum benefício pessoal ou para a família, então é uma questão de oportunistas”, conclui Másimo Justina.


Ivan 9, Setim 8 e Rocha 4 na Câmara
Após as eleições, pelo menos até dia 1º de janeiro de 2013, na diplomação dos vereadores, o prefeito Ivan Rodrigues (PSD) terá a maioria na Câmara com nove vereadores sendo, do seu partido, José Vieira (reeleito) e Lúcia Stoco (reeleita), mais os vereadores do Partido dos Trabalhadores, Onildo do PT (reeleito), Bira do Banco (reeleito) e professor Abelino. Como Abelino, chegam pela primeira vez na Câmara, na coligação eleitoral do prefeito Ivan, Wilson Cabelo (PRB), Edson Celli (PSC), Tadeu Camargo (PSL) e um nome que já esteve no Legislativo em outro mandato, Leandro da Nifer (PHS).

O prefeito eleito Luiz Carlos Setim (DEM) terá oito vereadores. Como representantes da sua legenda Nina Singer e Sylvio Monteiro (DEM) (reeleito), mais do PSDB os vereadores Assis Pereira (reeleito), Carlos Machado (reeleito), Mari Temperasso (reeleito) e Ailton Fenemê (reeleito). Soma-se a Setim os vereadores eleitos Luis Monteiro (PSB) e Luis Paulo (PSB).

O candidato a prefeito Rodrigo Rocha Loures (PMDB) conseguiu quatro cadeiras: dr. Ido (PMDB) e Alberto Setnarsky (PMDB) mais Gilberto Mello (PV) e professor Marcelo (PV).


salário de R$ 15 mil
No Legislativo não existe a indicação salário. O pagamento mensal é chamado de subsídio. De 2013 a 2016, o subsídio, aprovado em julho de 2012, prevê R$ 15 mil para o vereador e presidente da Câmara de SJP, R$ 12 mil para o vereador e 1º secretário da Mesa Diretiva e R$ 10 mil para os demais 19 vereadores. Até 2012, o presidente recebia R$ 14.012,62, o 1º secretário R$ 8.504,54 e os vereadores R$ 7.322,04.


PautaSJP.com

Mais imgens desta notícia

Compartilhe esta notícia no Facebook: