Tornozeleiras eletrônicas nos presos do Paraná estão na perna de criminosos de carreira. No Litoral, jovem tomava banho sem constrangimento com o equipamento.

Blog Single
Em vários países, as tornozeleiras eletrônicas são utilizadas para penas alternativas relacionadas a crimes considerados de menor gravidade. Os condenados a carregarem o equipamento na canela geralmente não podem sair de casa a não ser nos trechos de deslocamento ao trabalho e estudo. Ano passado, o governo do Paraná adquiriu mais de 2 mil peças o que foi elogiado para diminuir as carceragens. Porém, nas últimas semanas, muitos presos com passagem por vários crimes foram detidos novamente, incluindo criminosos que roubaram a mão armada e aqueles que conquistaram o indulto de Natal.

O benefício é concedido para detentos do regime semiaberto do sistema prisional. Um deles foi preso por tráfico de drogas e outro por receptação de veículo roubado. “Essas prisões são exemplos de que, infelizmente, alguns presos com tornozeleiras eletrônicas acabam reincidindo no crime, assustando famílias de bem”, diz o secretário da Segurança Pública do Paraná (SESP), Fernando Francischini.

“Por isso, a Secretaria da Segurança Pública, em conjunto com Ministério Público do Paraná, vai requerer à Justiça a revogação do benefício para parte dos detentos condenados por assalto e tráfico de drogas”, afirmou o secretário, referindo-se a dois casos divulgados pela Secretaria de Estado.

Nesta semana, João Alfredo Borges Junior, conhecido como Jaú, 29 anos, foi preso no momento em que compareceu para retirar a tornozeleira eletrônica, na Colônia Penal Agrícola, em Piraquara, na Região Metropolitana de Curitiba. Ele havia recebido alvará de soltura. Entretanto, monitoramento dos policiais do setor de inteligência da Secretaria da Segurança Pública e Administração Penitenciária verificou que havia outro mandado de prisão em aberto pelos crimes de tráfico e porte ilegal de armas.

Borges Junior já tinha diversas passagens anteriores pela polícia, tendo respondido a, pelo menos, seis inquéritos policiais, por furto e roubo. Como o advogado do preso obteve uma decisão judicial favorável, Borges Junior foi liberado na sequência.

O outro caso ocorreu em Almirante Tamandaré, na Região Metropolitana de Curitiba. Marcelo Sagais dos Santos, 34 anos, foi surpreendido pela polícia com um veículo roubado em Curitiba. Após denúncia anônima, a Polícia Militar encontrou o suspeito no bairro Cachoeira, em Almirante Tamandaré, com o carro. Ele foi autuado em flagrante por receptação e usava tornozeleira eletrônica. Santos também tinha antecedentes criminais, por furto de veículo e falsidade ideológica.


De boa na praia
Na passagem de ano, um jovem vestindo bermuda estava com a tornozeleira eletrônica na beira da praia, no Litoral de Matinhos, acompanhado de uma menina. Ele entrou no mar e também passeava tranquilamente com a companheira sem qualquer sinal de constrangimento.

PautaSJP.com

Compartilhe esta notícia no Facebook: