Profs. de SJP entram na greve contra “empréstimo” na Previdência


Educadores da rede estadual, antes de seguirem aos protestos na Assembleia às 10h hoje (27), foram às escolas atender aos poucos pais e alunos que apareceram

Blog Single Reportagem apurou que nesta segunda poucos alunos foram às unidades educacionais
Como em fevereiro deste ano, a paralisação dos professores da rede estadual, que gerou impasse nas negociações com o governo Beto Richa, deflagrou novamente a greve em todo o Paraná incluindo São José dos Pinhais. Hoje (27), no portão do Colégio Silveira da Motta, localizado no Centro, um dos maiores da cidade, poucos alunos e pais apareceram. Os educadores, antes de saírem em grupo para os protestos na Assembleia Legislativa, se concentraram nas unidades educacionais.

“A classe ainda não recebeu as premiações e progressões da categoria que são de direito ao servidor e o governo retoma a intenção de fazer alterações na Previdência que já foi uma das principais reivindicações. Tentamos, nas mobilizações do fim de semana e hoje, passar aos pais e alunos o motivo da interrupção das aulas”, comenta o diretor geral do colégio, Fabiano Setim.

Uma aluna, que chegou a ir com a mãe ao Silveira da Motta, diz que o assunto já foi roda de conversa entre os estudantes que querem mais respeito com os professores. A professora de Educação Física na mesma unidade, Maite Motta, considera que a presença de mais de mil policiais militares para impedir as manifestações diante dos deputados não provocarão a desistência do movimento. “Ficamos constrangidos, a palavra é constrangimento, mas isto não vai nos calar”, projeta Maite Motta.

De acordo com o governo do Paraná, a utilização dos recursos da Previdência para dar fluxo ao caixa do Estado não vai mudar em nada quanto a aposentadoria dos professores e demais funcionários públicos. O projeto a ser votado entre hoje até quinta, pelos deputados estaduais, número 252/2015, trata da revisão do plano de custeio do Regime Próprio de Previdência Social do Estado do Paraná. “ O governo do Estado continuará arcando, mensalmente, com R$ 380 milhões para os benefícios de aposentados e pensionistas civis e militares. O que não altera em nada o pagamento dos proventos para aposentados e pensionistas, que é uma responsabilidade constitucional do Estado”, afirma a presidente da Parana Previdência, Suely Hass.

PautaSJP.com

Compartilhe esta notícia no Facebook: