Curso em SJP promove importância da ajuda de socorristas civis


O Código Nacional Brasileiro prevê que as pessoas comuns também prestem apoio. Dinâmicas como do grupo Resgate Parceiros da Vida capacitam pré-atendimento.

Blog Single Simulação prática entre instrutores e alunos foi feita em áreas como matagais
Todo brasileiro tem direito de ser ajudado em casos de emergência, inclusive por pessoas leigas. A orientação que faz parte do Código Civil não significa que os adultos sem formação tenham que pegar uma faca de cozinha e fazer pequenas cirurgias, mas algumas atitudes podem salvar uma vítima de trauma, ou de doença pré-existente, como pressão alta. Apoiar a cabeça de quem está ferido ou passando mal, montar um torniquete para estancar um sangramento ou imobilizar os membros, no mínimo, vai amenizar possíveis danos futuros. Estes foram alguns dos objetivos do curso do último fim de semana do grupo Resgate Voluntário Parceiros da Vida.

A equipe é bem conhecida e respeitada em São José dos Pinhais pela dedicação junto aos órgãos de pronto atendimento como Siate e Samu. “Seja dentro das empresas, nas residências, nas escolas e principalmente no trânsito caótico das ruas e rodovias, é importante que as pessoas conheçam mais sobre primeiros socorros, pois toda vítima precisa de apoio, incluindo os casos de pessoas inconscientes que estão impossibilitadas de contar o que ocorreu. As cidades crescem e é difícil as equipes dos órgãos de Saúde chegarem a todas as localidades rapidamente. Recentemente, atendemos um caso em uma academia tipo fitness onde os professores não sabiam como proceder diante de uma aluna que apresentava parada cardíaca”, diz Marcelo Pereira, socorrista com mais de 20 anos de experiência e diretor da ONG são-joseense.

“O pré-atendimento vai amenizar e contribuir para que após a entrada no hospital o restabelecimento seja mais rápido, tanto para um idoso, jovem ou criança. No caso de bebês, por exemplo, que engasguem, três minutos sem oxigenação pode significar óbito. Com certeza os pais ou responsáveis vão tentar algo antes da vinda dos paramédicos. Conhecimento nestas horas é sempre importante”, avalia Marcelo Pereira.

As dinâmicas teóricas e práticas tiveram 25 participantes. A programação trouxe simulados de avaliação de casos de trauma e clínicos, contenção de ferimentos, massagem cardiorrespiratória, resgate em maca na estrada e no mato. As aulas foram na sede de treinamentos da Guarda Municipal e na sede de campo no bairro da Roseira. O Resgate Voluntário Parceiros da Vida é formado por enfermeiros, técnicos em Enfermagem, bombeiros civis e socorristas. Os alunos de sábado (16) e domingo (17) foram convidados para realizarem novos cursos e entrarem na ONG.

Entre os presentes, estava a universitária de Engenharia de Alimentos, Flávia Woellerner. “Eu havia feito uma capacitação voltada para a área de prevenção dentro das indústrias e desta vez busquei os primeiros socorros também por uma questão pessoal. Fiz uma grande cirurgia e o dia a dia de um hospital me chamou muito a atenção”, conta Flávia Woellerner.

A agente de empréstimos financeiros, Sandra Regina Amaral, algumas vezes participou como “vítima”. “Estar na maca e toda amarada foi uma grande experiência. São muitos detalhes para que os pacientes sejam bem atendidos. Os dois dias foram bem interessantes”, elogia Sandra Amaral.

Quem já teve contato com primeiros socorros também se sentiu melhor preparado. “Na formação como policial militar temos muitas horas de treinamento, porém, a cada curso aprendemos ainda mais”, fala o comandante da ROTAM, do 12º Batalhão, o tenente Marcel Rocha.

A bombeira civil Solange Morosini trabalha em festas e competições esportivas. “Foi um curso que aprofundou alguns aspectos de salvamento, incluindo em locais de difícil acesso. Existem eventos e campeonato organizados em lugares que são longe e realmente o pré-atendimento pode ser uma questão de vida ou morte”, comenta Solange Morosini.

Perto de se formar enfermeira, Suziele Araújo veio de Curitiba para a qualificação. “O atendimento, mesmo que por uma pessoa comum, se for bem feito, vai ajudar com certeza ao trabalho inter hospitalar”, opina Suziele Araújo.

Novos cursos estão projetados para 2016. “Os interessados em capacitar seus grupos que nos procurem. Podemos montar um curso básico e com uma grade também direcionada a um tema específico. Quero agradecer a Guarda Municipal, por meio do diretor Samaroni Bueno, e o secretário Adriano Mühlstedt, que nos cederam os locais do treinamento. O contato com a ONG Resgate Voluntário Parceiros da Vida é 41-9824-9072 e no Facebook Marcelo Socorrista Rvpv”, conclui Marcelo Pereira.

PautaSJP.com

Mais imagens desta notícia

Compartilhe esta notícia no Facebook: