Cartão VEM SJP não vai mais para CTBA. Bilhete de ônibus só interno.


Segundo Comec, Ligeirinho continuará sem linha direta. Outros quatro motivos que afastam usuários do transporte coletivo são-joseense.

Blog Single "Se temos que parar em um novo embarque é óbvio que atrasa", dizem passageiros
Emprego perto de casa, a pé, de carona, com carro 1.0, de bicicleta, moto 125 cc ou via Uber, são várias opções para não depender da falta de ônibus em horário de pico ou ao longo do dia. O deslocamento do centro de São José dos Pinhais para o centro de Curitiba de ônibus metropolitano (14 km de distância) é R$ 4,50 (R$ 9,00 ida e volta). Por meio do Ligeirinho R$ 4,30. Em 2011, o cartão VEM integrou as duas empresas de São José dos Pinhais, sendo a Auto Viação (área urbana) e a Sanjotur (área rural) que transportam mais de 100 mil passageiros, porém, o sistema retirou os cobradores, a tarifa continuou cara R$ 3,70 e não é proporcional ao deslocamento. O R$ 3,70 é para quem se desloca do terminal são-joseense Afonso Pena ao Centro de SJP (4 km de distância) ou quem percorre 20 km pela cidade. A partir de 31 de maio, todas as linhas de conexão metropolitanas devem ser utilizadas com cartão da Metrocard, implantado pela Coordenação da Região Metropolitana (Comec), órgão do governo do Paraná (http://www.cartaometrocard.com.br).

Recentemente, a Comec respondeu contato da reportagem do PautaSJP.com a respeito da possível volta do ônibus Ligeirinho direto de São José dos Pinhais por Curitiba. O retorno foi mencionado pelo prefeito de Curitiba, Rafael Greca, no dia 02 de janeiro de 2017, quando o órgão curitibano URBS fez as pazes com a Comec. De acordo com a Comec, não há perspectiva de linha direta. Quem se desloca de São José com o Ligeirinho continuará a descer no Terminal Boqueirão e pegar outro. Desde a implantação do serviço, em 1992, o Ligeirinho percorria São José dos Pinhais até o Terminal da Barreirinha (bairro curitibano Juvevê).

José Joacir Ferreira trabalha na construção civil, mora em Fazenda Rio Grande e está sempre em São José dos Pinhais. “Se a gente tem que trocar de ônibus com certeza o tempo de viagem é maior. Preferia antes que era direto”, diz José Ferreira. Erica Cristina de Oliveira reside no bairro Rio Pequeno. “Eu trabalho e moro em São José, então uso pouco essa linha, mas a troca acho que dificulta para quem utiliza todo dia”, fala Erica de Oliveira.


Cinco motivos listados pela reportagem que afastam passageiros
(1) O Ligeirão (ônibus azul) foi um dos motivos das obras da Copa 2014 entre as avenidas Marechal Floriano (CTBA) com Américas (SJP). O terminal são-joseense foi construído para esta nova conexão com o Terminal do Boqueirão que seria direta, anunciada pela Comec, mas ainda é uma promessa e a conexão indireta se mantém.
(2) Retirada dos cobradores em 2015, com obrigatoriedade do uso do Cartão VEM, não reduziu consideravelmente a tarifa. E o cartão VEM não estará integrado ao sistema com o cartão Metrocard.
(3) Existem pontos para fazer o primeiro cartão gratuitamente, mas falta a opção de comprar bilhetes em papel provisórios que poderiam ser lidos com código de barras nas catracas.
(4) Retirada dos cobradores e do dinheiro arrecadado com os usuários diminuiu o assalto aos ônibus, mas aumentou muito os assaltos aos passageiros. Bandidos armados roubam carteiras, relógios, joias e celulares.
(5) A passagem não é proporcional ao deslocamento, que pode ser por poucos quilômetros (4 km) entre o Terminal Afonso Pena e o Terminal Central, a R$ 3,70, ou por dezenas de quilômetros na mesma tarifa dentro da cidade entre o Terminal Afonso Pena e o Terminal São Marcos (15 km).

PautaSJP.com

Mais imagens desta notícia

Compartilhe esta notícia no Facebook: