Em 19 meses, vereadores de SJP gastaram combustível para 1 vez e ½ a Terra


Uso de carros oficiais como “táxi gratuito” gerou condenação judicial com afastamento de vereador e mais quatro políticos e pedido de ressarcimento de R$ 1,6 milhão

Blog Single Somente na média mensal em 2013, frota poderia ir de São José a Belém
A Justiça condenou vereadores e ex-vereadores por “táxi gratuito” com carros da Câmara de São José dos Pinhais na medida em que eleitores eram levados para diferentes municípios a partir da cidade, com deslocamentos diários de até 300, 350, 400 quilômetros de distância. No caso de distância, no período analisado pelo Ministério Público, em que a utilização dos veículos foi uma festa, compreendido entre janeiro de 2013 a setembro 2014, ou seja, 19 meses, os vereadores gastaram combustível para fazer uma vez e meia a Terra, totalizando 60.021 quilômetros, pois a circunferência do Planeta possui aproximadamente 40.075 quilômetros.

Naqueles dois anos, antes do início das investigações do Ministério Público do Paraná (MP-PR), a Câmara tinha como presidente Sylvio Monteiro Neto, ex-vereador que foi candidato a prefeito em 2016 e ficou em segundo lugar no pleito pelo PTB. Sylvio teve R$ 252 mil em bens bloqueados.

O levantamento do MP, que apurou que os carros chegaram a transportar votantes até para clínica particular em Ponta Grossa, cerca de 130 quilômetros, foi acatado pela Vara da Fazenda Pública. As saídas internas e viagens ocorriam principalmente para unidades de saúde. A decisão liminar da juíza Carolina Delduque Sennes Basso trata de ação de improbidade administrativa e bloqueio de bens que chega a R$ 1,6 milhão.

A condenação, que cabe recurso, traz depoimentos via intimação judicial de motoristas do Legislativo Municipal, tickets de cobrança de abastecimento em postos de gasolina, planilhas de controle de quilometragem dos carros, entre outras avaliações. Em 2013, teve mês em que a média de deslocamento chegou a 3.485,5 quilômetros, o que daria para sair de São José dos Pinhais e chegar a Belém, Norte do Brasil.


Outras condenações
O vereador Antonio Gilberto de Mello (PV) foi afastado pela Justiça porque teria tentado atrapalhar as investigações constrangendo testemunhas e teve bloqueio de bens de até R$ 538 mil em decisão, que cabe recurso, como as que atingem os outros quatro envolvidos.

“Utilizando-se do prestígio e do poder político decorrente de seu mandato de vereador, vem tentando influir na colheita da prova, influência essa que pode perdurar e, inclusive, se agravar ao longo da instrução da presente ação”, diz a juíza Carolina Basso. Também com mandato atual, a Justiça determinou o bloqueio de bens de até R$ 260 mil da vereadora Maria Elena Ribeiro de Andrade Hendler (Mari Temperasso - PSDB).


Ex-vereadores
Nilson Leandro de Souza (Leandro da Nifer – PHS) foi condenado a devolver o valor de R$ 117 mil. Lucia Stocco Ulson (PEN) em até R$ 441 mil. Com a confirmação de afastamento de Gilberto de Mello, deverá assumir no seu lugar o 1º suplente e ex-vereador Zé Vieira (PTB).

A reportagem contatou a Câmara e o órgão enviou uma nota sobre Gilberto Mello, mas sem tratar dos demais condenados: "Diante dos recentes acontecimentos envolvendo o afastamento provisório do vereador Antonio Gilberto de Mello, a Câmara Municipal de São José dos Pinhais informa que está cumprindo a Decisão Judicial e respeitando a legislação vigente com relação aos fatos."

Encaminhamos mensagem aos três ex-vereadores. Os gabinetes de Mari Temperasso e Gilberto Melo informaram que darão retorno em breve.

PautaSJP.com

Mais imagens desta notícia

Compartilhe esta notícia no Facebook: