Conselho de Meio Ambiente de SJP tem palestra sobre RPPNs


Reservas Particulares são opções de captação de recursos por donos de chácaras e de áreas de mata

Blog Single Explanação de Carlos Ferreira e Juliano Correia aconteceu no Parque São José dos Pinhais
Quando os proprietários das chamadas Reservas Particulares do Patrimônio Natural Municipal (RPPNs) transformam seus bosques, chácaras e demais áreas verdes em estações ambientais privadas, a função de preservação é para todo o sempre, contribuindo na conservação das localidades onde estão formalizadas e sociedade em geral. A contrapartida, via captação de recursos privados e públicos, além das isenções fiscais e parcerias com entidades de ensino, foi tema de palestra ao Conselho Municipal de Meio Ambiente e Saneamento (CMMAS), ontem (27), no Parque São José dos Pinhais, por meio de Carlos Ferreira, dono da Reserva Nascentes do Rio Açungui, em Campo Largo.

“As legislações em nível federal, estadual e municipal regulamentam os 20% de área obrigatória que não se pode mexer, e a implantação de RPPNs reforça o conceito ecológico possibilitando novas possibilidades”, destaca Carlos Ferreira, que atendeu ao convite do CMMAS em nome da Associação dos Protetores de Áreas Verdes de Curitiba e Região Metropolitana (Apave), acompanhado do advogado e dono da RPPN Barigui, Juliano Correia.

“Existem questões legais particulares entre as cidades com leis municipais de formação de reservas, mas a experiência da Apave pode ser referência a São José dos Pinhais na implantação de uma lei de RPPNs que favoreça os proprietários, com isenção de IPTU, transferência de potencial construtivo, visitação com objetivos ecológicos, terapêuticos, turísticos e recreativos, entre demais possibilidades”, aponta Juliano Correia.

Carlos Ferreira enfatizou a criação de centenas de reservas particulares em São José. “Se em Curitiba, em poucos anos, surgiram 27 reservas, imaginem em um extenso território como este”, acrescenta Carlos, também diretor da empresa Carbon Zero Soluções Ambientais e morador de São José dos Pinhais.

“Agradecemos a participação dos representantes da Apave no esclarecimento do que são as RPPNs. Em julho, teremos a nossa conferência e o assunto pode ser tratado com mais detalhes”, comenta a presidente do CMMAS, Ana Trelha.

Entre os participantes da explanação, Alexandra Leschnhak, do Rancho Caminho das Águas, na Colônia Murici. “Estou cada vez mais interessada nesta possibilidade, quanto a recursos para a nossa área e o fato de atendermos o Turismo Escolar e várias atividades de Pedagogia Ambiental”, projeta Alexandra Leschnhak.

Raphael Frederico Neto é pedagogo e lembra que o Pagamento por Serviços Ambientais vem ganhando espaço o que amplia a discussão quanto a participação privada. “Seja a conservação da Natureza pelo Poder Público ou privado, o importante é a garantia do futuro das comunidades e municípios”, fala Raphael Frederico.

PautaSJP.com

Mais imagens desta notícia

Compartilhe esta notícia no Facebook: