Grupo de mulheres empreendedoras do Miringuava realiza 2º encontro em SJP


Rosali Santos apresentou a trajetória da Associação Borda Viva, sendo das marmitas às bolsas vendidas em Paris

Blog Single Rose, como Rosali Santos é conhecida, já recebeu prêmio internacional da ONU pelos projetos da Borda Viva
Uma turma de mulheres de famílias agrícolas na Bacia do Rio Miringuava, também formada por empreendedoras de outros segmentos, como costura, culinária e hotelaria, se reuniu pela segunda vez para troca de experiências com o objetivo de criação de um núcleo feminino de empreendedorismo. A reunião anterior foi em junho de 2019, na Estância Carmello e, o encontro de ontem (05), ocorreu na sede da Sanepar onde está sendo construída a represa da bacia. O envolvimento da estatal de água é um apoio às iniciativas de novos negócios em uma região tradicionalmente voltada à agricultura, mas que terá uma regulamentação própria de uso das chácaras devido ao enchimento da barragem e ampliação do fornecimento de água para consumo. Para tratar de inovação na economia social, houve explanação e bate papo com Rosali Santos, a Rose, presidente da Associação Borda Viva, entidade localizada na BR 376.

“Fiquei muito feliz de poder participar da iniciativa e contar a minha experiência e das mulheres da Borda Viva em quase 30 anos de associação. Se hoje, fazemos bolsas de grife que chegam, via a Renault, para serem vendidas em Paris, na Champs-Élysées, é porque fomos superando as fases e dificuldades de quando começamos a vender marmitas para ter dinheiro e dar de comer às crianças. Nestes anos, a associação conseguiu manter a cozinha como um dos pilares de geração de renda, incluindo o restaurante e a entrega de buffet em eventos empresariais, que viabilizam o almoço gratuito de 111 crianças e jovens, mais os serviços do atelier de costura e da venda dos produtos na loja. Estamos preparando a comercialização online das bolsas e estruturação de um espaço de capacitação profissional”, projeta Rose, que destaca a mobilização e força emocional que move a instituição desde o fim dos anos 90.

“Não podemos esquecer das nossas raízes, que iniciamos com um pequeno fogão e centenas de mães trazendo e fazendo comida para quase 800 filhos. O nome Borda Viva é uma esperança, porque existia muita violência e pobreza no bairro Borda do Campo. Tanto que a região, onde hoje temos uma sede moderna, era chamada de Vila Escura. As oportunidades existem e aparecem, mas temos que estar preparadas. Confesso que quando uma empresa se instalou para montar a nova estrutura do pátio da Renault, a gente não sabia se ia dar conta de cozinhar para quase 100 operários; se a primeira encomenda de milhares de sacolas de banner seria entregue em 45 dias; ou se as bolsas com os materiais de sobra dos bancos dos veículos da montadora ficariam bonitas. Da mesma forma, tínhamos dúvidas se os jovens da associação conseguiriam se capacitar e trabalhar em grandes empresas, mas, somos a prova de que com muito trabalho e união é possível”, destacou Rose.

O nome Borda Viva é uma marca internacional não apenas pelos produtos exportados para outros países. Há alguns anos, Rose foi selecionada e recebeu prêmio da Organização das Naçoes Unidas (ONU) como uma das empreendedoras mais importantes do mundo entre os negócios tocados por mulheres que alcançaram sucesso como economia social. As atividades sociais da Borda Viva impactam diretamente mais de duas mil pessoas.

“Reconhecimento é bom, mas o verdadeiro prêmio é atender os clientes para que a associação tenha recursos, as costureiras trabalhando e os filhos estudando e se qualificando como menores aprendizes”, enfatizou Rose.

Entre as participantes da reunião, Andrea Krupczak, que mora em uma propriedade banhada pelo Rio Miringuava. “Nós plantamos verduras e quando tenho tempo vou para a máquina de costura aprender a fazer de tudo, pois a vida no campo é puxada e me imagino futuramente como costureira”, disse Andrea Krupczak.

Sônia de Paula elogiou a dedicação de Rose como exemplo ao grupo. “Não sabemos como vamos começar e nos formalizar, mas tenho certeza que a vontade de todas é trabalhar, produzir, buscar novas formas de sustento e estamos cada vez mais integradas”, falou Sônia de Paula.

Eliane Pizatto é lojista no centro do município. “Uma palestra contagiante. O voluntariado tem que se profissionalizar como a Rose lembrou, o que fortalece as relações”.

Contato com as mulheres empreendedoras do Miringuava
Sônia de Paula – 41-99622-4034.

Informações Associação Borda Viva
Rua Padre Humberto Robig, 114 - São Sebastiao, São José dos Pinhais - PR, 83075-477. Telefone: (41) 3556-4351. Emails: rose_bordaviva@hotmail.com; associacao_bordaviva@hotmail.com.

PautaSJP.com

Mais imagens desta notícia

Compartilhe esta notícia no Facebook: