Músicos de SJP gravam disco e fazem lives em período de pausa nas apresentações


Pandemia coronavírus mudou o cenário musical são-joseense, mas o tom do engajamento é de parcerias e otimismo

Blog Single Gravação caseira mas sem perder o profissionalismo: Gustavo Zagonel, Rodrigo Nickel, Yuri Vasselai e Caetano Zagonel
Se há uma questão que a turma do Rock, da MPB, música clássica, entre outros gêneros conhece bem é a falta de recursos e apoio do Poder Público para a produção musical. Com quase 200 dias de paralisação das apresentações nas noites e na cidade em geral, até surgiram alguns programas de renda emergencial e divulgação como o Sisprofice - Programa Estadual de Fomento e Incentivo à Cultura, e o cadastro online de artistas da Secretaria Municipal de Cultura (Semuc), mas nada se equipara ao impacto de não ter mais palco em eventos da Prefeitura ou nos bares. Entre as iniciativas otimistas que surgiram, a gravação dentro de casa de novos trabalhos como o Let it Blow, terceiro disco solo do saxofonista e compositor Rodrigo Nickel, morador no bairro São Pedro.

“É um disco de rock e blues com dez músicas autorais e inéditas. Participaram do disco dez grandes músicos aqui do Sul do país e até mesmo dos Estados Unidos. O álbum está à venda de forma online e a arrecadação dividida entre todos os artistas que participaram”, contou Rodrigo, que acrescentou a ideia de cooperativismo cultural.

“Foi uma forma digna de ajudar esses músicos que estão sem tocar, sendo essa a principal renda deles. São todos profissionais”, acrescentou Rodrigo. Nickel é saxofonista e atualmente toca nas bandas Jelly Roll (jazz e blues) e Dinamite Combo (funk e soul). Já possui três discos solos gravados, Odin Irgel Rock lançado em 2017, Back to The Cave lançado em 2019 e neste ano o Let it Blow.

Entre os parceiros de Nickel na cena musical são-joseense, o guitarrista Emanuel Weltemer e o violonista e cantor Raul D´Carlos. Para Emanuel, músico há 17 anos, residente no bairro Cidade Jardim, que possui um estúdio em casa e viu a agenda de produção despencar, a pandemia o fez refletir quanto a carreira.

“Trabalho 100% dedicado à música. O nosso estúdio envolve diretamente cinco pessoas e cada cantor e músicos que chegam para gravar envolvem cerca de 20 pessoas direta e indiretamente. Mas, a gente começa a tocar e compor e surge a vontade de voltar a gravar. Adotamos a gravação online com os parceiros gravando em casa e a gente finalizando as canções em nosso estúdio, enfim, é a nossa vida”, diz Emanuel Weltemer, 17 anos de música, fundador da banda rock Pallets e desde 2019 na Bullet Land (cover dos Stones).

Raul D´Carlos ( o Raulzito), morador no Jardim Cruzeiro, e 15 anos de música, também não parou de atuar com cultura, mas buscou novas atividades. “Não foi fácil, pois, em geral, demora um tempo de formação de público e, como em outras áreas artísticas, as apresentações foram suspensas. A minha esposa tem a renda dela e eu inicie um trabalho em uma representação comercial”, conta Raul D´Carlos, que gravou sua nova canção, Justiça Divina, no estúdio do Emanuel Weltemer.

Compra do disco Let it Blow (R$ sugerido 20,00 via PicPay)

Confira o clip gravado em casa pelos músicos no Let it Blow

Clip de divulgação da Banda Pallets com Emanuel Weltemer

Clip Raul ďCarlos - Justiça Divina

PautaSJP.com

Mais imagens desta notícia

Compartilhe esta notícia no Facebook: