IAP licencia primeiro cemitério ecologicamente correto do Sul 30-Dec-08

Grande parte de Pinhais está localizada sobre mananciais


Grande parte de Pinhais está localizada sobre mananciais

O Instituto Ambiental do Paraná (IAP) licenciou neste mês o primeiro cemitério ecologicamente correto da região Sul do país. Instalado no município de Pinhais (Região Metropolitana de Curitiba), o Complexo Cerimonial de Pinhais – Crematório e Cemitério Público Municipal - atende todos os requisitos ambientais como, por exemplo, contar com um moderno sistema que impede o contato do necrochorume (líquido resultante da decomposição dos corpos) com o solo e evita a contaminação do lençol freático.
Grande parte do município de Pinhais está localizada sobre mananciais que abastecem Curitiba e RMC, característica que impõe uma série de exigências ambientais para a implantação do empreendimento como este. Além de medidas para proteger o lençol freático, ainda se fez necessária a instalação de um sistema que canaliza os gases (também provenientes da decomposição) a um filtro de carvão ativado para purificar o ar.
“Ou seja, trata-se de uma obra que cumpre todas os requisitos ambientais e conta hoje com as licenças e autorizações necessárias para seu perfeito funcionamento atendendo assim, o que estabelece a legislação ambiental”, informou o secretário do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Rasca Rodrigues, que era diretor de Meio Ambiente de Pinhais quando o empreendimento começou a ser planejado e auxiliou na escolha da área.
Segundo o secretário municipal de Infra-Estrutura Urbana e Ambiental de Pinhais, Jandir Nogueira, existem apenas outros dois cemitérios como este no Brasil – um em São Paulo e outro no Rio de Janeiro. Ele ainda comentou que atender às exigências ambientais não foi difícil, nem encareceu o projeto. “No total, foram investidos aproximadamente R$ 2 milhões na construção do complexo que já pode ser considerado um dos mais modernos do país. Desde sua emancipação, há 16 anos, Pinhais não possuía um local para sepultar seus munícipes”, informou.
Ele ainda destacou que a cremação protege o meio ambiente e seu processo é regido pela Lei Federal n˚ 6015/1973 - sendo o mais econômico, higiênico e ecologicamente correto, pois o fogo reduz tudo a cinzas. “A tecnologia de ponta empregada na cremação permite a eliminação de qualquer possibilidade de poluição”, disse Nogueira.

Instalações
O complexo tem uma área total de 1,5 mil metros quadrados (o equivalente um campo de futebol) e conta com uma sala para cremação, 969 columbários (pequenos compartimentos onde são conservadas as urnas com as cinzas), 360 urnas verticais para sepultamentos tradicionais, 1.248 gavetas de ossuários e capela ecumênica, além de salas administrativas.

[Fonte Agência Estado Parana.gov]