São José dos Pinhais possui apenas duas livrarias e uma funciona no aeroporto

Blog Single
Comerciante compensa acervo limitado com atendimento personalizado

São José dos Pinhais possui 272 mil habitantes conforme dados do sub censo do IBGE de 2008. Apesar do crescimento econômico que coloca a cidade como o terceiro município em arrecadação de ICMS do Estado, e terceiro exportador paranaense, a oferta de serviços culturais ainda é pequena. Foram 12 anos sem cinema até a inauguração do Cinemark no Shopping São José. Outra lacuna a ser preenchida é a falta de livrarias que não sejam exclusivas de cunho religioso, pois além do Aeroporto Afonso Pena, existe apenas uma segunda loja, a Senhor Livro, localizada na Rua Voluntários da Pátria.

A Senhor Livro funciona há dois anos como anexo a um salão de cabeleireiro. De acordo com a proprietária, Elenice Zatesko, foi a forma que ela encontrou de manter a livraria por causa do aluguel. “Hoje não conseguiria trabalhar o funcionamento da livraria sem o salão de beleza, mas estou estudando a possibilidade de ampliar a livraria, pois talvez com mais livros consiga mais clientes, mas sei que esse mercado não é fácil pois outras pessoas já tentaram abrir livrarias e tiveram que fechar”, contou Elenice, que se diz uma apaixonada pela literatura.

A loja compensa o pequeno acervo, formado por livros pedagógicos e de títulos diversos, com um atendimento diferenciado na relação com os consumidores. “Os meus clientes são principalmente aqui da região central e se eu não tenho o livro que eles querem, eu encomendo, entrego pessoalmente ou o cliente vem buscar na loja”, falou a comerciante.
Ainda sobre as dificuldades ela comentou que a falta de leitores não é apenas uma questão de custo. “Livro é caro mas quem gosta dá um jeito. Tem um gari que passa na loja e fala que lê os livros oferecidos na empresa de coleta de lixo”, concluiu Elenice Zatesko.

Livrarias Curitiba estuda mercado
Após a inauguração do Shopping São José, a Livrarias Curitiba iniciou a prospecção de mercado, para a possibilidade futura de abertura de uma loja no shopping. De acordo com a assessoria de imprensa da livraria, a empresa está em período de expansão, representado pelas inaugurações no Shopping Palladium, em São Paulo, no Shopping Aricandúva, e em Santa Catarina, no Balneário Camboriú e Blumenau.


Escritora vende livro em papelaria
A escritora Maria Angélica Marochi, autora de cinco livros sobre São José dos Pinhais, quando lançou seu quarto trabalho editorial e o primeiro de cunho comercial, o livro Imigrantes 1870-1950, sentiu a falta de livrarias na cidade. “Eu vendia diretamente para as pessoas que eu conversava, e tive a idéia de deixar o livro em papelarias, o que dá um bom retorno de vendas, como na Papelaria Roccoplan”, explicou a historiadora, que na época de lançamento, deixou o livro Imigrantes em duas livrarias de Curitiba, a Chaim e a Guerreiro. A sua mais recente publicação, De Freguesia a Diocese – A Trajetória da Igreja Católica de São José dos Pinhais 1690-2007, segue a mesma estratégia de vendas.

Sobre a falta de mercado editorial Maria Marochi considera que isso reflete a carência do hábito da leitura. “Talvez as escolas, por meio da Literatura Infantil, conseguissem transformar a leitura em um hábito, que poderia se prolongar pela juventude e atuação profissional. Até mesmo entre os profissionais de diversas áreas existe a pouca leitura, incluindo os professores”, comentou a escritora.


Publicitário aproveita para ler no ônibus
O publicitário Anderson Müller Pereira aproveita o ônibus para colocar a leitura em dia. “É uma pena que exista apenas uma livraria no centro de São José dos Pinhais. Acho errado as pessoas dizerem que não possuem tempo para ler, pois quando estou no ônibus a viagem demora 40 minutos, então são 80 minutos em que dá para ler vários capítulos”, comentou Anderson Pereira.

[PautaSJP.com]

Mais imgens desta notícia

Compartilhe esta notícia no Facebook: