Prefeitura tem o primeiro evento público de protesto contra a administração 30-Mar-09

[Confira vídeo] Manifestação na área de cultura foi motivada pela falta de diálogo da secretaria com estudantes


Manifestação na área de cultura foi motivada pela falta de diálogo da secretaria com estudantes

Cerca de 50 estudantes e professores da Escola Livre de Teatro protestaram na última sexta-feira, às 14h30, contra a secretária municipal de Cultura, Elisete Farias, por falta de informações quanto ao futuro do programa O Boneco e a Sociedade, produto desenvolvido na cidade há pelo menos 12 anos.

A principal vitrine cultural do programa, criada pelos artistas Joelson Cruz e Tadica Veiga, é o Teatro de Bonecos, que tem como ponto alto o desfile que ocorre todos os anos uma semana antes do Carnaval.

“Fazem vários dias que ninguém sabe o que vai acontecer, e a secretaria não informa nada para os alunos, pais e professores, se o projeto vai acabar e alguma iniciativa nova será formatada. Estamos em um período de realização do Festival de Teatro de Curitiba, e dezenas de pessoas que eram alunos como eu, estão trabalhando no festival, portanto o projeto é válido. É um desrespeito com a arte e com os artistas”, disse Ale Freier, professor de teatro.


Sem entrevistas
Há semanas o PautaSJP.com e outros veículos de comunicação de São José dos Pinhais pedem entrevistas com a secretária Elisete Farias sobre o futuro do projeto O Boneco e a Sociedade. A negativa das entrevistas foi quebrada recentemente para o Jornal Metrópole. Segundo a entrevista do jornal do dia 27 de março, as aulas do projeto O Boneco e a Sociedade não começaram dia 09 de março, pela falta de professores com graduação e plano de aulas, informação contestada na reportagem pela coordenadora do projeto Tadica Veiga, que teria no contrato de prestação de serviço, todas as informações necessárias. O contrato tem data de término prevista para 18 de maio.

Desgaste evitável
A primeira manifestação pública contra a gestão do prefeito Ivan Rodrigues, aconteceu em uma área que conceitualmente é fácil de ser administrada no País. A cultura, pelo orçamento – no caso de São José dos Pinhais, R$ 3 milhões por ano, geralmente é o “primo pobre” das demais pastas. Pela falta de projetos culturais a longo prazo, pequenos programas, quando desenvolvidos, alcançam uma grande repercussão e participação da sociedade, sem maiores cobranças.
A falta de diálogo da Secretaria de Cultura com a imprensa de São José dos Pinhais ganhou uma simbologia, por meio do protesto de jovens pintados e de luto.

[PautaSJP.com – jornalista Marcos Rosa Filho]